DoisEm foco está um homem e uma mulher, fragmentos da vida de um casal numa atmosfera doméstica que não é triste nem alegre porque é as duas coisas ao mesmo tempo. São um casal fora da pauta, duas personagens muito acordadas. Vivem num auto interrogatório sobre o que é existir e para que se existe nesta selva brutal que é viver. Vêem-se do avesso, sem os pequenos privilégios de se viver sem consciência, a um pé do precipício, da loucura. Vivem uma calma aparente que esconde uma carga emocional prestes a irromper a qualquer momento.

– É como naquele quadro do Salvador Dalí.
– O que é que é como naquele quadro do Salvador Dalí?
– O tempo morre.
– O tempo não morre.
– O tempo esgota-se.
– O tempo não se esgota. As pessoas é que se esgotam no tempo.

Teatro
Palácio do Sobralinho, 14 Nov 21:30
M/12 anos

DOIS
Texto de Carmén Mesa
Encenação e operação de luz de André Sobral
Com Carmén Mesa e Pedro Baptista
Registo fotográfico de João da Cruz Santos
Página facebook


sobre a autora
Carmén Mesa é atriz formada pela Escola Profissional de Teatro de Cascais, com um desempenho que lhe valeu a atribuição de um prémio de mérito do Ministério da Educação. Iniciou a Licenciatura em Teatro da Escola Superior de Teatro e Cinema e estudou Língua Gestual Portuguesa e canto lírico. Conta com diversas formações complementares, várias animações e atuações em companhias de teatro. É formadora em oficinas de teatro para jovens e adultos e é co-fundadora da companhia Colibri – Teatro, Poesia e Ilustração.