As Flores do Mal – Poemas que se Comem, 9 Nov

por Maria João Martinho e Cristina Rodrigues Pereira

Palácio do Sobralinho
Sab 9 Nov 2019, das 17:00 às 19:00

(inclui degustação)

#1 VINHO E DROGAS EM BAUDELAIRE, A FUGA AO SPLEEN

Na primeira sessão de As Flores do Mal – Poemas que se Comem propomo-nos mergulhar no universo da vida e obra de Charles Baudelaire, um dos maiores poetas simbolistas de final do século XIX, autor da obra “As Flores do Mal”, a qual serve de inspiração à mais recente ópera da Inestética companhia teatral, em cena no Palácio do Sobralinho, de 31 de Outubro a 17 de Novembro.

Ementa de degustação

Entrada – Saucisson brioché
Pancas tinto 2017
Prato – Vitela Orloff
Quinta de Pancas Reserva tinto 2016
Sobremesa – Madalenas recheadas com compota verde e flores comestíveis
Quinta de Pancas Reserva Chardonnay 2015

Embriagai-vos!
Deveis andar sempre embriagados. Tudo consiste nisso: eis a única questão. Para não sentirdes o fardo horrível do Tempo, que vos quebra as espáduas, vergando-vos para o chão, é preciso que vos embriagueis sem descanso.
Mas com quê? Com vinho, poesia, virtude. Como quiserdes. Mas embriagai-vos!

Charles Baudelaire, Petits poémes en prose, 1869

Baudelaire – boémio convicto, numa clara oposição aos ideais burgueses impostos pela mãe e pelo padrasto – entendia os seus “paraísos artificiais”, os estados alterados da consciência proporcionados pelo consumo do vinho, do haxixe e do ópio, como necessários à criação poética e ao despertar do imaginário. Ele é, de resto, o primeiro europeu a comparar o vinho e as drogas num contexto estético e ético, estímulos reveladores de uma desordem nervosa produtiva em termos artísticos, mas simultaneamente dolorosa.
Tomamos ainda consciência de como estes vícios têm uma relação directa com o seu sofrimento, as suas tentativas de fuga ao spleen, palavra de origem inglesa, entendida aqui com toda a sua complexidade, significando simultaneamente angústia, tédio, desencanto, melancolia, má sorte.

Através da leitura de excertos de algumas das suas obras, para além daquela que claramente o imortalizou, assistimos à sua provocação perante a sociedade, à degradação física e psicológica de um homem doente de sífilis e provavelmente bipolar, à forma tão diversa como se relaciona com o vinho – do qual fazia uma verdadeira apologia – , o haxixe (com o qual parece lidar como experiência psicofarmacológica, no Club des Hachichins a que pertence) e o ópio (através do seu derivado láudano, de cujo consumo Baudelaire acabou por perder o controle).

Todos estes aspectos que aqui elencamos serão trabalhados de forma a proporcionar ao participante desta sessão uma experimentação sensorial abrangente, onde se inclui a já habitual experiência do palato.


Concepção e Apresentação
Maria João Martinho e Cristina Rodrigues Pereira
Confecção
Cristina Rodrigues Pereira, José Ricardo Ribeiro Ferreira, Maria João Martinho
Apoio à produção
Ana Rato, Daniel Martinho, Inês Loureiro dos Santos, Jorge L. Santos, Rita Leite
Apoio técnico
Fernando Tavares
Produção
Inestética 2019

Apoios

Cristina Rodrigues Pereira
Guia-intérprete nacional, licenciada em Turismo e Património pelo INP, ex-docente desta escola. Pós-graduação em Gestão de Ensino à Distãncia pela Universidade Complutense de Madrid. Membro da direcção e co-fundadora da Inestética Associação Cultural de Novas Ideias, membro da equipa dinamizadora de eventos do projecto Palácio – Espaço de Difusão das Artes, nomeadamente do espaço de debate FALA! Propostas para este Milénio e Cozinha com Histórias – Oficinas Gastronómicas. É ainda a responsável pelo catering da equipa e dos artistas convidados no âmbito da programação do Palácio – Espaço de Criação e Difusão das Artes (Palácio do Sobralinho).

Maria João Martinho
Licenciada em História da Arte pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, desempenha desde 1999 funções no Museu Municipal de Vila Franca de Xira, onde se dedica ao estudo, salvaguarda e divulgação da história e património culturais daquele concelho. A par da sua profissão, tem um verdadeiro amor pela arte de cozinhar, tendo participado em diversos workshops, designadamente com Isabel Zibaia Rafael (autora do blogue “Cinco Quartos de Laranja”, premiado em 2011, 2012 e 2014 como o melhor blogue do ano na área de culinária gastronomia pelos leitores), de Célio Cruz (autor do blogue “Sweet Gula) ou de Sílvia Martins (autora do blogue “Bocadinhos de Açúcar”). Foi um dos seis vencedores do passatempo lançado, no final de 2014 pela empresa Riberalves, o que lhe permitiu cozinhar com o chef José Avillez, premiado com duas estrelas Michelin. É autora de workshops dedicados à cozinha vegetariana, desde setembro de 2014, bem como da página do facebook Art & Cook, dedicada ao tema da culinária. Participou igualmente no programa “Cook Off – Duelo de Sabores”, na RTP.

Imagem © Pierre Devreux