Dança Invisível 2018 - Ciclo de Dança Contemporânea

DANÇA INVISÍVEL

CICLO DE DANÇA CONTEMPORÂNEA
PALÁCIO DO SOBRALINHO
2018


31 Ago SU8MARINO
Joana Castro
01 Set THE FOXES
Alice Joana Gonçalves
14 Set MUTABILIS
Paula Pinto / António de Sousa Dias
15 Set ET TOI…
Carolina Van Eps / Francesca Saraullo

 

Espectáculos às 21:30 | M/12 anos (excepto “The Foxes” M/18 anos)
Bilhete: 7,5€ | Desconto Jovem (<25 anos): 5€
Passe Dança Invisível (4 espectáculos): 15€
Ver programa detalhado
Reservar bilhetes

 

 


SU8MARINO
Joana Castro

Sex 31 Agosto 21:30
M/12 anos | 7,5€ / 5€ (<25 anos) | reservar

Su8marino - Joana Castro
Em Su8marino, procuro possibilidades de desterritorialização como desconstrução de paradoxos, encarando o paradigma da criação enquanto produção de novas formas de subjectivação. Como construir uma matriz intersubjectiva de relações entre o entendimento da criação artística enquanto demarcação de território, como refere Deleuze, a desconstrução do poder (territorial) gerando “linhas de voo”, a produção de novos espaços, territórios possíveis e alternativos, a criação de novas configurações semióticas não absolutas e o limite da linguagem enquanto transformação em contínuo devir?
Nesta peça, o performer é também observador, público, náufrago, construtor de camadas submersas, emergindo enquanto metáfora existencial. Su8marino é um ritual, uma fronteira esbatida onde camadas de (des)(re)territorialização abrem espaço à metamorfose.
Como reagir ao universo envolvente, onde a Síria se desfaz, o Brasil encolhe, os EUA estão no limite e a Europa asfixia? Em que medida, a consciência da globalização na relação com o espaço privado, se ritualiza e se transforma num espaço poético e abstrato onde as possibilidades de existência a substituem?
Su8marino é uma peça onde os espaços globalizados permanecem, entrelaçados num espaço pessoal, num corpo específico, cheio de referências que se vão desreferenciando em busca de múltiplos.
– Joana Castro –

 

Concepção, criação coreográfica, cénica e interpretação Joana Castro
Música original Adriano Fontana e Joana Castro
Figurino Jordann Santos
Desenho de luz Alexandre Vieira e Joana Castro
Texto e documentação Joana Castro e Telma João Santos
Assistência de ensaios Camila Neves
Registo e edição do espectáculo Eva Ângelo
Agradecimentos Joclécio Azevedo, Renata Portas, Vânia Rovisco e Raquel Ferreira
Residências e apoios na criação Conquering the Studio 2016: a time for research de Cristina P. Leitão | Lugar Instável, DeVIR/CAPa, Palácio do Sobralinho, Inestética companhia teatral, Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Centro de Criação de Candoso, CCVF, Serviço de Emergências 2016, Teatro de Ferro
Co-produção Teatro Municipal do Porto

Su8marino - Joana Castro Su8marino - Joana Castro Su8marino - Joana Castro

Joana Castro (1988, Porto) Iniciou os seus estudos no curso em dança no Balleteatro Escola Profissional em 2006, frequentou o curso PEPCC (Programa de Estudo, Pesquisa e Criação Coreográfica) no Fórum Dança em 2008, foi bolseira do Núcleo de Experimentação Coreográfica em 2009, em 2013 participa no DanceWeb Schoolarship Programme do Festival Impulstanz, em Vienna e em 2016/17 frequenta a pós-graduação de especialização em performance na Faculdade de Belas Artes do Porto.
Como co-criadora e/ou performer colaborou em peças de Né Barros, Victor Hugo Pontes, Ana Borralho e João Galante, Flávio Rodrigues, Joana Providência, Joclécio Azevedo, Carlota Lagido, entre outros.
Desde 2009 que desenvolve o seu próprio trabalho, tendo apresentado algumas das suas obras em Portugal, Bélgica e Alemanha.
Em 2012 representa Portugal nos encontros Les Repérages/Danse à Lille e com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian integra a residência coreográfica Correios em Movimento/Dança em Trânsito no Rio de Janeiro.
Atualmente em digressão com o seu projeto a solo SU8MARINO.
A convite da Estufa Plataforma Cultural cria o espetáculo “Maremoto” na residência artística LAB8, a estrear nos dias 15 e 16 de Setembro no Cine-Teatro Torres Vedras, e em Outubro começa a seu novo projeto coreográfico a solo RITE OF DECAY a estrear em 2019.

 

 

 


THE FOXES
Alice Joana Gonçalves

Sab 01 Setembro 21:30
M/18 anos | 7,5€ / 5€ (<25 anos) | reservar
Aviso: espectáculo com nudez integral

The Foxes - Alice Joana Gonçalves

O cruzamento do projecto “The Hunting” (2013) com a presente performance explora a questão do passado e a sua continuação no tempo, como um corpo que nunca parou, mas que se moldou até chegar ao ano 2018. Partindo da premissa inicial, de que se explora o corpo como uma matéria que molda e é moldada ao longo do espaço e do tempo e a sucessão das diversas esculturas através do corpo, impele-nos para a sua fragilidade, que é exibida e que se torna o elemento crucial de toda a performance. Quase como um cadáver esquisito, a última sequela “The Foxes” (ainda em construção), re-significa todo o contexto da performance inicial, talvez lhe roube a identidade, ou só a domine, colocando em causa o território ao qual pertencemos e construindo novos limites. Se num primeiro acto assistimos a um corpo contra a matéria, num segundo, o corpo adapta-se à matéria, constrói um novo espaço, agora habitado por outro corpo.

 

Performance de Alice Joana Gonçalves
Performers Xana Novais, Alice Joana Gonçalves
Desenho de luz Alice Joana Gonçalves
Desenho de som Ricardo Cabral e Manuel Guimarães
Residência de criação Palácio do Sobralinho – Artistas no Palácio
Apoio Inestética companhia teatral

Alice Joana Gonçalves estudou dança clássica e contemporânea (1999-2004) no Colégio Rainha Santa Isabel e no Teatro Gil Vicente, para além de ter prosseguido o seus estudos em dança e movimento em workshops, formações internacionais e trabalhando como bailarina. No entanto, desde cedo, decidiu seguir a área da criação performativa e direccionou então o seu foco para o seu corpo, utilizando ferramentas das artes visuais e da dança. A sua primeira performance “Apocalipse” ganhou o Prémio dos Jovens Criadores 2012; voltou a ser distinguida com o mesmo prémio dois anos depois, com “The Hunting”. Em 2013, foi convidada para ir a Nova Iorque pelo Art Institute para representar Portugal (The Hunting). “Welcome to the Machine”, uma performance em vídeo, foi exibido no International Society for Performing Arts Congress (USA). Em 2015, ganhou o Prémios Novos, prémio para Artistas Emergentes Portugueses nas Artes Visuais. Nos últimos anos, realizou uma exposição individual, “Adagio to One Wolf”, na Galeria Fernando Santos, no Porto. Colaborou com Julião Sarmento para fazer a performance “Five Easy Pieces”, “Notre Dame” em co-autoria, ou com participação especial do artista na sua performance. Também apresentou “La Chienne” na exposição da coleção particular de Julião Sarmento no Museu da Eletricidade de Lisboa, ao lado de nomes como Marina Abramovic, Gerhard Richter, Bruce Nauman, Nan Goldin… Mais recentemente, apresentou “Beauty is a Hidden Place”, uma performance (happening) no evento Ritz´s Secret Room organizada por Sangue na Guelra Blood N´Guts, Ritz Four Seasons e Vogue Portugal, colaborando com vários chef Michelin como Alex Atala, Eneko Atxa, entre outros.

 

 

 


MUTABILIS
Paula Pinto / António de Sousa Dias

Sex 14 Setembro 21:30
M/12 anos | 7,5€ / 5€ (<25 anos) | reservar

Mutabilis - Paula Pinto / António de Sousa Dias

MUTABILIS é uma instalação imersiva com performance inspirada na flor do Hibiscus mutabilis, também conhecida como “rosa louca”. Esta flor floresce de manhã em branco puro, passando por um rosa vivo intenso, tornando-se violeta nos dias seguintes.
A performance desenvolve-se através do encadeamento de situações, num ciclo de cerca de quarenta e cinco minutos, com intervenção de uma intérprete de dança contemporânea acompanhada de dois performers (interpretação áudio e vídeo em tempo real).
MUTABILIS propõe um percurso onde movimento, luz, imagem e som se inter-relacionam, modificam e estimulam a percepção e os sentidos, e onde a coexistência de diferentes espaços e tempos revela a mudança como a única constante na vida.

 

Criação e Interpretação
Paula Pinto (movimento e figurino)
António de Sousa Dias (criação sonora e programação)
Daniel Rondulha (criação vídeo, videomapping)
Execução de guarda-roupa Alexandra Monteiro e Rafael Saldanha
Desenho de Luz Vítor Azevedo (TDI 2016), Robert Fuchs (MV 2017), Paula Pinto
Conteúdos vídeo adicionais Barbara Simões da Hora e Luís Fernandes
Produção Associação sentidosilimitados
Co-Produção Miso Music Portugal
Residências de criação O’Culto da Ajuda, Palácio do Sobralinho – Artistas no Palácio
Apoio Inestética companhia teatral, Câmara Municipal de Vila F. Xira

Mutabilis - Paula Pinto / António de Sousa Dias Mutabilis - Paula Pinto / António de Sousa Dias

fotos © António Buscka

Paula Pinto
Paula é bailarina e performer que produz performances ao vivo e residências artísticas, workshops e eventos corporativos, trabalhando com equipas multidisciplinares através do projecto Compota. Iniciou seus estudos em dança com Neilma Williams (1975), continuou a sua formação nos Cursos de Bailado do Ballet Gulbenkian e mais tarde, no Centro de Dança Rosella Hightower (França). Dançou com o Ballet Gulbenkian de 1982 a 2002, os últimos dez anos como bailarina principal. Paula trabalhou com Jan Fabre no Frankfurt Ballet, com Benjamin Harkavy, Kazuko Hirabaiashi, Maggie Black e Merce Cunningham em Nova Iorque. Com o Ballet Gulbenkian dançou obras de Mats Ek, Ohad Naharin, Nacho Duato, Luís Falco, Christopher Bruce, Jirí Kylián, Itzik Galili, Hans van Manen, Mauro Bigonzetti, Vasco Wellencamp, Rui Horta, Olga Roriz, Paulo Ribeiro e Benvindo Fonseca, entre outros.

António de Sousa Dias
Compositor, artista multimédia e investigador, António de Sousa Dias divide a sua actividade entre a criação, a pesquisa e o ensino. Doutorado em Estética, Ciências e Tecnologias das Artes – Música e diplomado com o Curso Superior de Composição é Professor Associado na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. É autor de música para filmes, documentários e animação, bem como de obras explorando diversas formações e géneros. A performance e o teatro musical também desempenham um papel importante no seu percurso. O seu trabalho de investigação no sector da criação musical e ambientes virtuais conduzem-no actualmente aos domínios do multimédia, da instalação e da criação visual.

Daniel Rondulha
Daniel Rondulha, também conhecido por VJ DATA7, é licenciado em Design pela Universidade de Aveiro (2004). Tem vasta experiência em produção e formação em conteúdos multimédia para espectáculo, vídeo, mapeamento de vídeo, motion graphics e pós-produção. Desenvolve conceitos e projectos na área de video mapping e instalação e é co-fundador do colectivo visual VBomb, sedeado em Lisboa. Desde 2011 colabora com o projecto Compota e, entre outros projectos, integra Periférico de Alexandre Farto (Vhils) no BoCA (Bienal de Artes Contemporâneas, 2017). É co-autor do People of Light, uma videoinstalação interactiva (Festival AURA – Art of Light, 2018).

 

sentidosilimitados

 

 

 


ET TOI…
Carolina Van Eps / Francesca Saraullo

Sab 15 Setembro 21:30
M/12 anos | 7,5€ / 5€ (<25 anos) | reservar

Et toi... - Francesca Saraullo & Carolina Van Eps

Em “Et toi …” duas solidões encontram-se. Atracção e repulsa, proximidade e distância, conflito e sensualidade, emergindo numa performance de dança marcada pela intimidade e por uma tensão latente…

Coreografia e Interpretação Carolina Van Eps, Francesca Saraullo
Luz e criação sonora Carolina Van Eps, Francesca Saraullo
Apoio à criação sonora Koen Roggen
Apoio dramatúrgico Greet Van Poeck
Apoio Inestética companhia teatral, Câmara Municipal de Vila F. Xira, Florian Metateatro, Danspunt vzw, Bains Connective, Victoria Deluxe, La Bellone, workspacebrussels

foto © Joke Van Den Heuvel

Francesca Saraullo (Itália) e Carolina Van Eps (Colômbia) são duas bailarinas-performers / coreógrafas que se conheceram na Royal Academy of Fine Arts, em Bruxelas, nos programas “Art in the Public Space” (AeSP) e “Arts and Choreographies’ Institut” (ISAC). Motivadas pelo seu interesse comum em explorar a relação sensível entre o espaço, o corpo e as artes visuais, decidiram começar a trabalhar em conjunto.
Estiveram em residência artística no Palácio do Sobralinho, no âmbito do programa Artistas no Palácio, em Julho de 2018.

 

1ª parte
DELIRIUM; SOLITARY AND COLLECTIVE SONG OF THE HUMAN VOICE

Performance solo de Carolina Van Eps que cruza som ao vivo, pesquisa de voz e movimento.
“O potencial que encontro no som do riso e do choro é, neste trabalho, uma estratégia e um método para refletir sobre os limites emocionais a que o corpo humano está sujeito e o impacto que o seu “peso” tem na saturação do nosso próprio planeta.”

Pesquisa, criação e interpretação Carolina Van Eps
Assistida por Camila Sierra
Som Carolina Van Eps
Apoio University Distrital Colombia, Arts faculty ASAB, IDARTES Institute of Arts from Bogota, WIPCOOP Belgium.
Residências de criação Betones and La ponderosa, Germany
Agradecimentos AsoSandiego Bogota-Colombia, Aurora Flyingfish

Delirium - Carolina Van Eps

 

 

 


 

DANÇA INVISÍVEL 2018
Ciclo de Dança Contemporânea

Programação Alexandre Lyra Leite
Design Rita Leite
Técnico Fernando Tavares
Registo e Edição vídeo Vítor Hugo Costa
Apoio à produção Susana Serralha
Apoio União de Freguesias de Alverca do Ribatejo e Sobralinho, Imarte, Arte Franca
Produção Inestética – Associação Cultural de Novas Ideias
Estrutura financiada por